Tokenization e stemming em língua portuguesa de discursos presidenciais.

Tokenization e stemming em lngua portuguesa de discursos presidenciais published at the "Open Code Community"

As premissas que constituem a vasta gama de modelos de Machine Learning e de Deep Learning foram trazidas para o ramo da linguística com o intuito de interpretar escritas e falas humanas, Processamento de Linguagem Natural sendo NLP seu acrônimo em inglês. Por mais que tenhamos pouco conhecimento sobre as minúcias de uma linguagem, há padrões que são identificáveis nas palavras - afixo, raiz, radical, etc. Esses elementos constituem a morfologia, suas características estão profundamente atreladas aos passos necessários para o pré-processamento de uma base de dados textual: tokenização, remoção de stop words e inclusive stemming. A acurácia dos modelos está diretamente ligada a qualidade desses passos iniciais portanto, é de sumo interesse que tenhamos um vislumbre dessa etapa. Vamos ver um pouco desses processos e algumas de suas funcionalidades, as quais podem ser diretamente utilizadas em pesquisas ou apenas com intuito ilustrativo.

Pré-processamanto textual.

Dados não processados

Como base textual, optamos pelo uso de discursos presidenciais pelo simples fato de conterem diversos prefixos de tratamento, linguagem culta (assim esperamos), parágrafos bem estruturados, não conterem (assim esperamos, novamente) erros de digitação e por serem de livre e fácil acesso (https://www.gov.br/planalto/pt-br/acompanhe-o-planalto/discursos/2021).

library(tibble) # Biblioteca necessária para o trabalho com dados

jb_speech <- read.delim("dp_jb.txt", #localização de arquivo com os discursos
                        header = FALSE, #gera coluna de dados com nome genérico
                        col.names = "txt") #converte nome genérico para txt
df_speech <- tibble(jb_speech) #transforma na estrutura de dados tibble

Tokenização

Utilizamos a função unnest_tokens() da biblioteca tidytext para realizar a tokenização dos discursos presidenciais selecionados.

library(tidytext) #biblioteca para textmining
library(dplyr) #biblioteca que permite manipulação de dataframes

## 
## Attaching package: 'dplyr'

## The following objects are masked from 'package:stats':
## 
##     filter, lag

## The following objects are masked from 'package:base':
## 
##     intersect, setdiff, setequal, union

tokens <- df_speech %>% #piping: acessa os discursos
  unnest_tokens(palavras, txt) #tokenização propriamente dita dos discursos, chama a coluna dos tokens de palavras. txt é a variável com os discursos.

tokens

## # A tibble: 7,144 x 1
##    palavras
##    <chr>   
##  1 discurso
##  2 15062021
##  3 bom     
##  4 dia     
##  5 nós     
##  6 sabemos 
##  7 que     
##  8 uma     
##  9 boa     
## 10 imagem  
## # … with 7,134 more rows

unnest_tokens() converte automaticamente as letras maiúsculas em minúsculas de maneira a facilitar a comparação com outras databases. Pode-se então usar to_lower = FALSE nos argumentos da função. Manter as palavras com letras maiúsculas serve como proxy para identificação de nomes pessoais, empresas, entidades governamentais e acrônimos.

Pode-se utilizar o argumento token = “sentences” para diferenciar palavras com letras maiúsculas que iniciam frases.

sentences <- df_speech %>%
  unnest_tokens(sentences, txt, token = "sentences")

head(sentences)

## # A tibble: 6 x 1
##   sentences                                                                     
##   <chr>                                                                         
## 1 discurso - 15062021                                                           
## 2 bom dia, nós sabemos que uma boa imagem vale muito mais que um milhão de pala…
## 3 eu quero começar saudando o nosso ministério das relações exteriores, tendo e…
## 4 parabéns a todos os servidores do nosso itamaraty na pessoa do nosso ministro…
## 5 eu me lembro, senhores embaixadores.                                          
## 6 em 1963, eu tinha 8 anos de idade, estava em jundiaí indo para campinas, e eu…

# Usando token = "tweets, é possível fazer a tokenização por palavras e preservando os USERNAMES, HASHTAGS e URL's de twitters. 

Stop words

Stop words por definição carregam muito poucas informações. Nas línguas românticas, inclusive, são as palavras mais comuns - um threshold é estabalecido dentro de um database de textos para que a palavra seja considerada uma stop word - ou palavras funcionais tal como a, o, em, no e suas variações. Línguas com casos como Russo, Latim, Islandês a abordagem é feita de maneira diferente.

Vamos observar a composição primária desse discuros presidencial analisando a incidência das palavras. O intuito é reduzir a carga de informações a serem processadas, ajudando a manter um tempo computacional aceitável e despendê-lo em funções mais cruciais.

tokens_rank <- tokens %>% #acessa os tokens
  count(palavras, sort = TRUE) #assimila a cada token sua incidência

head(tokens_rank)

## # A tibble: 6 x 2
##   palavras     n
##   <chr>    <int>
## 1 que        229
## 2 de         228
## 3 o          224
## 4 a          212
## 5 e          193
## 6 para       111

É necessário fazer o download das stop words em português brasileiro. Há diversas fontes, a grande maioria com as mesmas palavras. Realizamos, portanto, e a eliminação dessas palavras baseadas na tokenização previamente realizada.

library(stringr) # Usamos a biblioteca stringr para retirar qualquer espaço em branco do databse de stopwords. 

## 
## Attaching package: 'stringr'

## The following object is masked _by_ '.GlobalEnv':
## 
##     sentences

stopwords <- read.delim(
    file = "http://www.labape.com.br/rprimi/ds/stopwords.txt", 
    header = FALSE,
    col.names = "palavras")

# Com o argumento pattern = " " dizemos que vamos substituir um espaço em branco pelo argumento repl="" (nenhum espaço)
stopwords <- str_replace_all(string=stopwords$palavras, pattern=" ", repl="")

head(stopwords)

## [1] "de"  "a"   "o"   "que" "e"   "do"

#Filtramos as palvras que não estão na lista de stopwords com o prefixo ! - negação - e as contamos
clean_speech <- tokens %>%
  filter(!palavras %in% stopwords)

freq_word_speech <- clean_speech %>%
  count(palavras, sort = TRUE)

# Exibimos um wordcloud das 50 palavras mais frequentes
library(wordcloud)

## Loading required package: RColorBrewer

wordcloud(words = freq_word_speech$palavras,
          freq = freq_word_speech$n,
          min.freq = 1,
          max.words = 50,
          random.order = FALSE,
          colors=brewer.pal(8, "Dark2"))

O contexto é extremamente importante em text mining então devemos garantir que as stop words estão dentro do universo o qual desejamos estudar. Através das palavras observadas podemos assumir que há vícios de linguagem por parte do presidente. Como as palavras “aí”, “coisa” que não carregam significados reais nenhum no entanto, aparecem com frequência. Para, especificamente, a incidência das palavras nos discursos presidenciais de Jair Bolsonaro podemos incluir essas palavras na nossa lista de stopwords (se esse for nosso desejo e não implicar em nehum problema para o estudo realizado).

Stemming

Stemming é uma das maneiras de reduzir a dispersão dos dados - o que pode ser interessante para treinarmos alguns modelo - reduzindo uma palavra à sua raiz. No entanto, somos penalizados por estarmos jogando informações fora.

Para isso, precisamos realizar o download do pacote rslp - desenvolvido por Viviane Moreira Orengo e Christian Huyck do Instituto de Informática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (A Stemming Algorithmm for the Portuguese Language).

devtools::install_github("dfalbel/rslp")

## Skipping install of 'rslp' from a github remote, the SHA1 (b8cd6715) has not changed since last install.
##   Use `force = TRUE` to force installation

library(rslp)

speech_stemm <- tibble(palavras = rslp(clean_speech$palavras))

freq_word_stemm <- speech_stemm %>%
  count(palavras, sort = TRUE)

wordcloud(words = freq_word_stemm$palavras,
          freq = freq_word_stemm$n,
          min.freq = 1,
          max.words = 50,
          random.order = FALSE,
          colors=brewer.pal(8, "Dark2"))

Podemos ver que após o stemming, do mesmo database, temos diferença nas incidências de palavras. Palavras distintas podem ter a mesma raíz e isso se reflete visualmente através dos wordclouds os quais são expressivamente distintos.

Conclusão

Text mining gradativamente se consolidou como uma importante ferramenta para as mais diversas áreas do conhecimento. Há uma vasta literatura que aborda não somente o uso, mas os algoritmos por trás das funções aqui utlizadas. A importância de estudos que interpretem as características linguísticas regionais se sobressai, ainda mais, em um país de tamanha dimensão como o Brasil.

Please, cite this work:

Almeida, Lucas Mussoi; Perlin, Marcelo; Reichert, Marcos Henrique (2021), “Tokenization e stemming em língua portuguesa de discursos presidenciais published at the “Open Code Community””, Mendeley Data, V1, doi: 10.17632/k5myphbwwj.1

Marcelo S. Perlin (since 2021/04)
Marcelo S. Perlin (since 2021/04)
Associate Professor of Finance

My research interests include data analysis, finance and cientometrics.

Próximo
Anterior

Relacionados